OFÉLIA: O AMOR DE PAULO

                                    Myriam Brindeiro

Imagem4

Antes de tudo, conheci os seus vestidos. O primeiro adquirido na FUNDAJ/Apipucos, década de 70. Ainda o guardo até hoje. Depois, sempre me paravam para perguntar sobre os fizera. Dava nome, telefone, endereço.

Na minha primeira ida ao Recife Antigo restaurado alguém falou: – É um vestido de mamãe. Era Magnólia – nome de flor. Os 90 anos – Festado Vestido Bordado – também foram comemorados no Bairro do Recife. Assim começa a minha história.

Maria Ofélia de Figueiredo Cavalcanti nasceu no Beco do Veras, Boa Vista, casa da tia Oscarlina Figueiredo Batis, no dia 14 de outubro de 1917.

A família era grande. Ela convivia e estudava com dois primos para a admissão: Waldemar Valente e Paulo.

Depois, com a ida da família para Salgueiro, nos domingos, ficava na casa da tia Olga. Nessa época, o pai convidou o sobrinho Paulo, para trabalhar como Apontador de Estradas das obras contra as secas, em Salgueiro.

Quando voltaram continuaram se visitando. A integração familiar já existia naturalmente.

Depois a família foi morar no Rio de Janeiro. Ofélia começou a se corresponder com o primo.

O já estudante de Direito fez uma excursão ao Rio. Foram visitar o Cristo Redentor. Nessa ocasião, segurando a mão de Ofélia, Paulo perguntou se o tio aprovaria o namoro. O tio aprovou.

O noivado também aconteceu naturalmente, segundo os costumes da época.

O casamento foi no Palácio da Justiça. Ofélia com um vestido azul claro – casaquinho e nervuras com listinhas.

Pediu a bênção da avó – Lídia Figueiredo e foram para um almoço na casa da tia/sogra – Olga Figueiredo Cavalcanti, mãe de Paulo.

Os ascendentes, todos de Goiana, cidade importante e tradicional.

Tiveram três filhos: Moema, Magnólia e Carlos.

Moema é capista, já tem três prêmios Jabuti. Mora sem São Paulo. Tem dois filhos, Maria Luiza, que mora na Inglaterra, já foi da BBC de Londres. Atualmente, é “freelancer”. Henrique é músico.

Magnólia, advogada aposentada. Na Faculdade de Direito, foi colega do meu irmão Geraldo. Trabalha como revisora de textos e com bordados, como Ofélia. Tem três filhos. Cláudia que trabalhou com D. Ruth Cardoso. Tem duas filhas, Nina e Dora, bisnetas de Ofélia. Estudou na Alemanha Oriental e é tradutora oficial de alemão. Os rapazes trabalham na área de comércio. Bruno também tem dois filhos (Bruno Filho e Vinícius) e Raul tem um filho (Tomás). Todos bisnetos de Ofélia.

Carlos possui uma Oficina de Ferragem Artística e para construções. Fez o portão do Parque D. Lindu. Tem duas filhas: Léa é arquiteta e Laís da área de moda.

Ofélia participou das atividades culturais de Paulo. Como escritor, ele recebeu o Prêmio Eça de Queiroz, pelo livro de mesmo nome e foi fundador da Sociedade Eça de Queiroz.

Também foi fundador da UBE/PE, União Brasileira de Escritores em Pernambuco.

Entre as dificuldades da vida pública de Paula ela mencionou as onze prisões do marido, quando foi sempre solidária com ele. Uma vez, para visitá-lo, em Jaboatão, foi no caminhão do lixo.

Houve dificuldades financeiras também. Havia necessidade de pagamentos para as atividades políticas e manutenção da casa. Comprava pescoço de galinha, mais barato, para as sopas familiares.

Começou a trabalhar com costura e bordado, para ajudar nas despesas de casa. Muitas funcionárias da SUDENE, Secretarias, INEP, FUNDAJ, eram suas freguesas. Moda é usar vestidos e blusas de Ofélia, dizia-se na época e até hoje.

Uma ocasião, Paulo deixou recado escrito “Só sai de casa com permissão – avisando”.

Uma amiga convidou-a, mas ela não foi.

Ofélia não gostou e respondeu vingando-se com vários avisos.

“Abaixo a escravidão”, “Não tenho que obedecer a marido”, “Sou livre – saio e pronto”, “Viva a liberdade”.

Sua mensagem final, no entanto, é de meiguice. Sempre acompanhou e aprovou todas as atividades políticas e culturais de Paulo.

“Ele nunca deixou de fazer nada do que quisesse, por minha causa”.

SOLIDARIEDADE TOTAL E AMOR A

Paulo de Figueiredo Cavalcanti

*25 de maio de 1915

+ 30 de maio de 1995.

Artigo publicado na Agenda do Poeta 2012. Secção do mês de Outubro. Novoestilo Edições do Autor. Tema: Casa de Paulo Cavalcanti: a união pelas Letras em Pernambuco. Homenagem a Paulo Cavalcanti.

Com estas fotos, deixo aqui meu tributo a grande amiga Maria Ofélia Figueiredo Cavalcanti que faleceu no mês de junho passado e reitero meu pesar e minha saudade que partilho com todos os seus amigos e as filhas Moema e Magnólia. Durante muito tempo foi o atelier de Ofélia que me vestiu e nosso contato sempre foi de longas conversas e muitas afinidades.

Imagem1 Imagem2 Imagem3 Imagem4

Comments.

Currently there are no comments related to this article. You have a special honor to be the first commenter. Thanks!

Leave a Reply.

* Your email address will not be published.
You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>