O Sol, de Cristina Aragão por Myriam Brindeiro

oetas das Edições Pirata (década de 1970/1980) Continuo nessa missão de resgatar as poesias musicadas
por mim, do grupo das Edições Pirata, iniciada no CD 3.

 

sol

 

O SOL

O Sol quando vai nascendo
Parece que sai do mar
O mundo vai colorindo
Fazendo a água brilhar

Cada raio é um pincel
Pela areia a lambuzar
Sua tinta cor de mel
E dourado pelo ar

Essa bola incandescente
Pendurada no infinito
Dá vida à vida da gente
Deixa tudo mais bonito

FICHA TÉCNICA

Cristina Aragão – letra
Myriam Brindeiro – composições musicais e voz
José Gomes – partituras para piano
Antônio Guedes – violões, nylon, aço teclados, percussão, guitarra com efeitos, contrabaixo, bandolim
Danilo Loureiro – técnica, mixagem e concepção de arranjos
Produção musical – Antônio Guedes
Producão executiva – Myriam Brindeiro

Gravação: Estúdios MVV (Ministério Valorizando Vidas)
Nino Loureiro (Tel: 81 98526.2572)

Poetas das Edições Pirata
(década de 1970/1980)
Continuo nessa missão de resgatar as poesias musicadas por mim, do grupo das Edições Pirata, iniciada no CD 3. Resolvi divulgar as letras, embora dê muito trabalho conseguir tudo. Inclui também mais três letras, duas de Fernando Pessoa e uma de Cristina Aragão, num total de treze músicas. Myriam Brindeiro

 

 

 

Myriam Brindeiro canta Manuel Bandeira: “Bacanal” (1)

Slide3site

Resgate total do frevo de bloco composto por Myriam Brindeiro para o poema “Bacanal”, de Manuel Bandeira. Levado a público em 09 de fevereiro de 2012, quando da inauguração da Troça Carnavalesca Mista Bacanal, hoje Troça Carnavalesca Mista Bacanal do Bandeira

1. Frevo em MP3 e Poema

  1. CANTE COM MYRIAM BRINDEIRO

Abaixo, o áudio e, a seguir, letra do poema. 

BACANAL

Manuel Bandeira

Nasceu a 19 Abril 1886 (Recife, Pernambuco, Brasil) Morreu em 13 Outubro 1968 (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil) Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro.

Nasceu a 19 Abril 1886
(Recife, Pernambuco, Brasil)
Morreu em 13 Outubro 1968
(Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil)
Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro.

Quero beber! cantar asneiras
No esto brutal das bebedeiras
Que tudo emborca e faz em caco…
Evoé Baco!

Lá se me parte a alma levada
No torvelim da mascarada.
A gargalhar em doudo assomo…
Evoé Momo!

Lacem-na toda, multicores
As serpentinas dos amores,
Cobras de lívidos venenos…
Evoé Vênus!

Se perguntarem: Que mais queres,
Além de versos e mulheres?…
– Vinhos!… o vinho que é meu fraco!…
Evoé Baco!

O alfanje rútilo da lua,
Por degolar a nuca nua
Que me alucina e que eu não domo!…
Evoé Momo!

A Lira etérea, a grande Lira!…
Por que eu extático desfira
Em seu louvor versos obscenos.

 

 

Myriam Brindeiro já compôs mais de 200 canções a partir de poemas de poetas pernambucanos.

Myriam Brindeiro já compôs mais de 200 canções a partir de poemas de poetas pernambucanos.

 

 

Créditos

 

Poema de Manuel Bandeira (Livro “Carnaval”)

Música de Myriam Brindeiro

Arranjos do Maestro José Gomes

Músicos Rafael (violão), Henrique Travassos (flauta), Fernando Souza (pandeiro).

 

 

 

 

 

 

 Page 1 of 8  1  2  3  4  5 » ...  Last »